RSS

Arquivo da categoria: Entrevistas

Entrevistas com as Bandas

Entrevista: Nitrominds

Nitrominds (Santo Andre)

Formação:

Andre , guitarra e Vocal

Lalo, Baixo

Edu bateria

1 Sabemos que o Nitrominds já tem bastante tempo de estrada, como tudo começou ?

Começamos em 94, quando eu encontrei o antigo vocalista da banda, o Ricardo, a gente tinha as mesmas influências musicais e foi muito fácil da gente se entrosar musicalmente. Lalo andava com a gente há tempos, edu veio na segunda demo em 95, fizemos bastante coisa com essa formação até o Ricardo sair da banda em 1998 e seguirmos em trio.

2 Como era a cena no começo da banda, e o que você diz da cena em seu momento atual?

A cena era difícil, fazíamos muitos shows aqui no ABC e em SP era quase impossível, SP tinha uma cena muito fechada no começo dos anos 90, a gente tocava em várias outras cidades do País mas pouco acesso a sp, hoje é totalmente ao contrário. “Antigamente tudo era mais difícil do que é hoje, porém se eu for comparar a de antes com a de hoje, antigamente tudo era muito mais ‘True”.

3 Mudando de Nitrominds para Nitroala Records, o por que de criar um Selo ?

Em 2001, o dono da nossa gravadora na Alemanha, me pediu pra ajudar o d.sailors no Brasil, já havíamos feito tour com o Bambix em 2000 aqui, eu tentei vários selos e nada, bem.. pq não montar a minha própria gravadora?

Foi o q eu eu fiz, eu já tinha uma distro bem estruturada na época, fiquei com a gravadora até 2008.

4 Voltando a Nitrominds , eu conheci o Nitrominds através de uma coletânea da Peculio Discos chamada 668 (1998) que além de Nitrominds tinha outras bandas de peso como Paura, Ratos de Porão, Sociedade Armada e muita coisa boa, sabemos que a internet em potencial abriu as portas para o mundo novo, hoje através de um email, facebook, MSN e capaz de fechar contatos de shows e promo das bandas,  como era feito esse intercambio antigamente, antes do ano 2000?

Antes era tudo carta e telefone. As cartas vinham cheia de flyers, eu catalogava todos os flyers de contatos e fanzines, mandava fita K7 demo pra todo mundo, trocava muito material, muitas bandas somos amigos desde então, como o sociedade armada em santos, Dead Fish no Rio, Dread Full em BH, Pinheads em Curitiba, o circuito de shows era fechado nesse esquema, DYS. Um email que demora alguns segundos, antes era carta que demorava uma semana.

5 o Nitrominds fez varias turnês internacionais, como uma banda brasileira e vista no exterior e qual foi o show que você mais gostou dessas turnês internacionais?

Acredite ou não fizemos 14 tours fora do país, sendo que 9 delas na Europa. Acho que depois do RDP nós que fomos mais vezes pra fora do país. O pessoal gosta muito da gente principalmente na Alemanha. Não sei lembrar de um show em especial, cada ano tem um mais legal que o outro então fica difícil lembrar de um.

6 Qual foi a coisa mais estranha que já aconteceu no show do nitrominds ?

Foi em Brasilia quando um cara se pendurou pela no meio do nosso show, eu tava agitando e quando ele estava pendurado eu batia a cabeça nele e ele ficou balançando preso por aqueles ganchos, foi bem freak.

7 Recentemente vocês gravaram um álbum de covers de bandas como BAMBIX, PENNYWISE, BAD RELIGION, entre outras contando com a participação do Rodrigo do Dead Fish e o Pessoal do Ratos de Porão. Qual foi a ideia de montar um álbum de covers?

Não tínhamos nada novo desde o disco verge of colapse, então pensamos que seria legal soltar um material gratuito na net só com as banda que a gente gosta mesmo, o estúdio Pub em santo andre topou a idéia, lançamamos na net e o disco passou dos 100 mil downloads.

8 O que influencia o Nitrominds, ontem e hoje (Bandas, movimento, pessoas,)

Nós nos influenciamos sozinhos, hehehe, vontade de tocar por ai, fazer um som.

9 Quais são os projetos para o Futuro ?

Esse ano vamos gravar o nosso disco de inéditas depois de 3 anos, a produção começa agora, será no estúdio Texmix em SP com produção de Rodrigo Corsi e terá participação do Tony Cadena do Adolescents, previsão de lançamento em Setembro/Outubro. Em Fev do ano que vem vamos a europa em tour com o Berri Txarrak do Pais Basco.

10 Se eu perguntasse sobre a cidade de Piracicaba-SP o que você diria ?

Diria que já fizemos shows muito legais ai, uma vez em 99 antes de ir pra Argentina, fizemos um show em um bar que era uma porta apenas, mal cabia a batera!! Achamos Pira ducaralho.

11 Mandem um recado para os leitores do Inquebrantável

Rock sempre maloqueiros!!

Conheça mais o NITROMINDS

FaceBook

Pagina Nitrominds no Reverbnation

Videos e links das Músicas Novas

Consumer Society – ao vivo Trama 

Room with Parasites – ao Vivo programa Radiola 

Euskara – Reverbnation – 

 
1 comentário

Publicado por em 23/06/2011 em Entrevistas

 

Tags: , , , , , ,

Entrevista: Ralph Macchio

Banda: Ralph Macchio (Santo Andre)

 Integrantes:: 

André – Bateria

Bruno – Baixo

Fábio – Guitarra

Fernando – Voz

1 Como tudo começou ?

Fernando – A Banda começou no meio de outra banda que eu tinha com o Fabio, a gente meio que se conheceu nessa banda, que tinha uma ideia e proposito mais melódico; ai conversando com o Fabio, a gente tava ouvindo a mesma coisa basicamente, um som mais pesado e reto, e decidimos tentar montar algo assim, seguindo essa linha. Chamei na epoca o Gustavo que já tinha tocado comigo e o Guilherme, que tinha tocado no Vendetta comigo, em poucos meses a gente foi pra estudio e ja gravamos a primeira demo, “Almost Dead”, isso em 2009.. de lá pra cá, teve algumas mudanças de integrante, o Gustavo e o Guilherme acabaram saindo, o Guilherme ainda ficou até a gente gravar esse novo disco , o “Welcome To Your Doom”, pouco depois  saiu,  e entraram o Bruno e o André na banda. E é isso, estamos aqui!

2 Quais são os seus princípios, ideias o que vocês tentam transmitir através da musica de vocês ?

Fábio.: Na banda cada um tem seus príncipios e opiniões diversas sobre cada assunto. Não temos nenhuma “bandeira” ou causa específica, como banda. Individualmente, cada um tem a sua. Porém,  eu sou da opinião de que o melhor jeito de passar uma mensagem, é sendo o exemplo vivo dela. Tentamos manter a banda do jeito que sempre achamos correto de fazer e espero que as pessoas percebam isso. Nesse contexto, podemos dizer que essas são as mensagens que tentamos passar, atravaés de exemplos:

– Se você toca punk/hardcore, lembre-se de que faz parte de uma comunidade, logo pense além do seu umbigo;

– Nossa música é o meio de estravasar e compartilhar nossas ansiedades, frutrações e vitórias, as reais transformações, cada um faz no seu dia a dia.

– A música é só UMA  das atividades desenvolvidas dentro do punk/hc!

– Esteja sempre aberto a novas opiniões. O punk/hc é um ótimo espaço para debate e discussão de novas idéias. De cabeça-dura o mundo já tá cheio!

– O punk/hc não pode mais ser estigmatizado como coisa somente de gente nova. É uma fase que não passa!

NOTA: O Ralph Macchio é uma banda de hardcore formada por membros do Vendetta, Iron and Gold e ex-membros de bandascomoLive By The Fist e Who I Am. Com sonoridade semelhante a algumas bandas do hardcore americano que apareceram dos anos 2000 pra cá e uma pitada, só um pouquinho assim de carimbó,

Fonte: Daily War (Athos – Still Strong)

3 Como é a cena Hard Core de Santo Andre-SP

Fábio: Na verdade, a banda não é só de Santo André. É 1 de Santo André, 1 de São Bernardo, 1 de São Caetano e eu que sou de Santos, mas moro em São Paulo! Hehehe.

No geral, a impressão que tenho, é que a cena da grande São Paulo está meio devagar. Mas essas coisas são meio cíclicas. Acho que estamos em um período um pouco em baixa. Mas existe bastante gente legal e interessada, por isso acho que logo mais deve voltar a ficar movimentada e agitada novamente!

4 Como rolou a oportunidade de entrar no maior selo independente do gênero, a SevenEightLife ?

Fernando – Eu já tenho outra banda, o Vendetta, que faz parte do selo, e o Fabio tem um selo próprio, a Caustic Recordings. Quando a gente montou o Ralph Macchio, a banda com pouco tempo e as demos começou a fazer acontecer por si mesma, e a gente decidiu fazer um disco, as coisas foram simplesmente acontecendo. O Franco (Seven Eight Life) falou comigo sobre lançar e como o Fabio já pretendia lançar pela Caustic, foi mais fácil ainda pra fazerem isso juntos, além de ser até mais viável financeiramente, então foi como estar em casa, e sentir-se mais a vontade ainda !

NOTA: O Ralph Macchio tocou no sábado 18 de Junho com as bandas ( Black Jaw (Santos) The Alchemists (Volta Redonda) BaySide Kings (Santos) Standing Points (Piracicaba) no Benjamin Rock Bar: Rua Benjamin Constant n°2511 Centro Piracicaba-SP 

5 Quais são as suas maiores influencias ?

Fernando – Acho que depende muito do que a gente tá ouvindo, eu pelo menos to sempre procurando coisa nova pra ouvir, mas umas bandas que eu sempre escuto e sempre me influenciam são Bane, Cruel Hand, Down To Nothing, Haymaker, Bracewar, e Mouthpiece. Essas pesaram bastante no começo da banda pra mim e pesam até hoje!

 6 A trilha sonora da minha semana foi o Born to Lose, o que mais gostei das linhas, foi o fato das musicas serem bem diretas! Conte-nos um pouco do processo de gravação e o que vocês Pretendem alcançar com esse novo disco?

Fernando – O processo de gravação do “Welcome To Your Doom” tinha tudo pra ser conturbado, e acabou sendo muito satisfatorio, acredito que pra todos nós! A gente se enfiou no estudio sem um baixista, e acabamos revezando o baixo, e algumas guitarras, então acho que pode-se dizer que esse é um album da banda realmente! O Bruno entrou na banda enquanto a gente ainda estava finalizando o disco, e acho que estamos realmente contentes com o resultado. Apesar de ter demorado mais que o esperado pra sair, por conta da arte da capa, que demorou pra sair, acho que o disco alcançou tudo que a gente queria que fosse, senão até mais! A mixagem e gravação foi feita pelo Danilo do estudio Acustica, e eu já tinha gravado o Vendetta com ele, então foi meio que gravar com um amigo,foi bem tranquilo! Agora que está ai na mão do pessoal, a gente quer saber de tocar, tocar e tocar, pra divulgar o máximo possivel.

7 Vocês tem vontade tocar e conhecer o cenário de hard core da gringa ?

Fernando – Com certeza! É um plano nosso, mas como é bem complicado ainda, por conciliação de tempo de todo mundo, a gente ainda tá estudando isso, fora que ainda tem muito lugar daqui que a gente não tocou e espera tocar também!

8 Deixe uma mensagem para os leitores do Inquebrantável e o pessoal que colou no sabado passado!

Fernando – Desculpem pela demora da entrevista, é difícil conciliar 4 caras pra responderem rápido, e obrigado a todo mundo que colou, realmente significou muito para nós! A cena de piracicaba sempre foi ótima assim, e espero que se fortaleça cada dia mais!

Para conheçer mais sobre o Ralph Macchio Acesse

www.borntolose.com 

VIDEO

Band Camp

TWITTER

MySpace

Email para contato !

ralphmacchiohc@gmail.com

 
1 comentário

Publicado por em 22/06/2011 em Entrevistas

 

Tags: , , , , , , , , , , ,

Entrevista com o Educators

Entrevista: Inquebrantavel.

Banda: Educators (Piracicaba-SP)

Formação: Lucas (Fractal) – Vocalista; Gustavo – Bateria; Matheus (Barna) – Guitarra; Leandro (Baixo)

1 Primeiro de tudo, gostaríamos de saber o principio do educators?

O principio da banda foi o de despertar em nossos amigos,nos ouvintes,e nas pessoas da cena em geral,a idéia de forma mais crua possível do que é o hardcore aos nossos olhos,tanto sonoramente quanto em questão de postura em shows,ou em conteúdo de letras,tentamos passar a idéia de juventude viva,forte e consciente.Somos garotos que apesar de estarem fartos da realidade que nos cerca,não fugimos,nem apelamos para entorpecente algum,na tentativa de fugir dessa realidade.Talvez a maior proposta da banda seja despertar o orgulho em pessoas que se mantém na cena,e que participam e apóiam de inúmeras formas todos os eventos ou ações,mesmo trabalhando até 7 dias da semana,tendo apenas como lazer um único dia de show,com 5 ou 6 bandas,talvez outra proposta da banda seja questionar aqueles que envenenam a boa vontade alheia ,e que cospem no prato em que comem,talvez uma provável proposta seja mostrar que hardcore não é coisa de moleque,mas sim de quem amadurece mas não envelhece,independente de uma postura livre de drogas ou não,aquele que acredita em autonomia,aquele que pensa e questiona a si mesmo todos os dias,e não se entrega para as vontades da sociedade,aquele que é dono do seu mundo,enfim,um individuo que vive e aprende todos os dias dentro do hardcore,nunca envelhece,porque se você é velho,novo,idoso,jovem…isso não passa de títulos dados pela mesma sociedade a quem me referi,logo se vivemos no tão conhecido ‘underground’ fora das margens da sociedade,não nos importamos com isso,e mantemos o espírito forte.De fato a proposta de Educators é uma ironia a toda e qualquer imposição de ensinamentos,nada que nos é imposto nós aprendemos,todas as nossas escolhas foram feitas através de reflexões ,após todas as informações que nos foi passada.O principio da banda com certeza é fazer hardcore de moleques para moleques,moleques esses de mente,espírito,e qualquer outra palavra que defina o que nós somos de verdade,em qualquer religião,ciência ou credo,na escola,no trabalho ou na hora de dormir.

2 Sabemos que toda, ou maioria das bandas do Cenário independente, tem alguma ideia a compartilhar, seja ela politica, sentimental e movimentos na qual os integrantes façam parte ou gostam. Qual é o perfil do Educators?  

Nosso perfil seria o de garotos que querem extrair qualquer tipo de reflexão nas pessoas,sobre política,sobre ações(movimentos no qual fazem parte) e porque não também sobre sentimentos,afinal,hardcore também é sentimento,sentimento de ódio revertido em atitudes positivas.Falamos sobre política,falamos sobre vocês,e falamos sobre nós mesmos,falamos de hoje,de ontem e de amanhã também,e deixamos claro que todos podem usar suas mãos para o que quiserem,inclusive para nada,mas nós preferimos usar as nossas para transformar e criar.

3 O que vocês acham que esta acontecendo com a cena local?

Acho que não temos muito a dizer sobre isso,a cena está ai,algumas pessoas que participam a mais tempo,outras que nem tanto,e muitos garotos e garotas entrando.De fato esta havendo mudanças,mas isso é algo constante.Mas não podemos negar que a pouco tempo ,nos ocorreu que um divisor de águas surgiu pela cidade,e os ideais de todos parecem estar mais focados,e os que talvez não possuem ideal algum estão fazendo o que bem entendem,mas é só questão de época,já disseram uma vez que hardcore é cheio de altos e baixos,e não seremos nós os que vão contrariar isso,não da pra dizer se é uma faze ruin ou boa,afinal com o surgimento da EdgeXHouse,que mais que uma republica de amigos,se tornou um centro de novas idéias,e porque não de cultura subversiva,da pra notar algo muito bom,e de muito proveito para a cena,e isso tudo em contraponto com o declínio de público interessado em se envolver ou em participar da cena,de forma sincera.Mas com certeza no momento não podemos reclamar de nada,eventos como a verdurada e outros tantos feitos por quem acredita na cena ofuscam qualquer saldo negativo na conta de Piracicaba haha.

                Nota:

Sabemos que o Educators esta apenas no inicio, e que tem potencial de sobra, devido a bagagem que seus integrantes possuem, e que contribuíram no passado com a banda CHANGE e que alguns deles ainda fazem parte de outros projetos como Synnopse e Contraste.

4 Quais são as suas Influencias ?

Sem mais delongas : Warzone,Cro-Mags,Youth of Today,Agnostic Front,Bad Brains,Beastie Boys,Slayer,Earth Crisis,Johnny Cash,Minor Threat,Funbles in Life,New Winds,Gorilla Biscuits…e toda e qualquer banda que saiba unir canções sobre realidade e formas de transforma-la com agressividade e simplicidade musical.

5 Vocês tem previsão de lançamento de algum material?

Não podemos dizer data alguma,mas com certeza nossa meta,até o final desse ano é de gravar no mínimo uma demo/ensaio,e depois,obviamente gravar as faixas de forma devidamente trabalhada.Mas a principio queremos divulgar as musicas da banda,precisamos mesmo providenciar isso,urgentemente.

6 Mandem uma mensagem para os leitores do Inquebrantável!

A única coisa que difere uma pessoa que tem senso crítico,de todo o resto é que,quem tem,sabe que o ser humano não passa do ser mais nojento e repugnante do mundo,se não faz uso de sua habilidade de raciocinar em prol do bem coletivo,e os que não tem,não fazem idéia disso.

7 Neste campo abaixo coloquem Links ( Myspace, Twitter, facebook, youtube etc)

Confira o Video do Educators no link abaixo

Educators – not accept

 
1 comentário

Publicado por em 16/06/2011 em Entrevistas

 

Tags: , , , , , , , , , , ,